Vitória do Hamas

Instituto Rothbard Brasil - Ron Paul

10/19/20233 min read

Aqueles que chamaram o ataque do Hamas a Israel de “11/9 de Israel” foram mais precisos do que imaginam. Assim como os EUA reagiram ao 11/9 cumprindo o desejo de Osama bin Laden de que os EUA ficassem atolados em guerras sem possibilidade de vitória, a reação de Israel ao ataque do Hamas cumpre o provável objetivo do Hamas de radicalizar mais palestinos. O resultado do ataque do Hamas será fortalecer os elementos mais extremistas de ambos os lados do conflito.

Dado o forte apoio a Israel entre os dois principais partidos políticos dos EUA, não é surpreendente que, após os ataques, muitos políticos americanos tenham corrido para os microfones para proclamar seu apoio à assistência dos EUA a Israel. O presidente Biden anunciou que os EUA enviarão ajuda militar a Israel, enquanto o Congresso está elaborando uma legislação que prevê cerca de dois bilhões de dólares em assistência militar de “emergência” a Israel. Mesmo a maioria do crescente número de representantes que se opõem à ajuda militar à Ucrânia apoiará “o que for preciso” de gastos para defender Israel. É por isso que o governo Biden e alguns no Congresso querem combinar a ajuda a Israel e à Ucrânia em um pacote legislativo.

Gastar bilhões a mais para apoiar ações militares no Oriente Médio e na Ucrânia beneficiará o complexo militar-industrial. No entanto, prejudicará a maioria dos americanos ao acelerar o crescimento da dívida de mais de 33 trilhões de dólares do governo. À medida que a dívida aumenta, o Federal Reserve vai empurrar as taxas de juros para baixo e monetizar a dívida. Isso levará ao aumento da inflação de preços, combinado com estagnação econômica e desemprego elevado – em outras palavras, estagflação.

As preocupações com a dívida do governo e a permissão do Federal Reserve para essa dívida com dinheiro fácil e taxas de juros baixas acarretarão em mais desafios para o status de moeda de reserva mundial do dólar. O aumento do ressentimento em relação à política externa hiper intervencionista dos EUA também levará a mudanças no status de moeda de reserva do dólar. A Arábia Saudita poderia até parar de usar dólares para seu comércio internacional de petróleo. O fim do petrodólar seria o prego final no caixão do status de moeda de reserva mundial do dólar.

O fim do status de moeda de reserva mundial do dólar significaria que o governo dos EUA não poderia mais administrar um império no exterior e um estado de bem-estar social autoritário em casa. A questão não é se o império americano vai acabar, mas quando e como. Ele deveria terminar deliberadamente, com o Congresso iniciando o processo de restauração do governo constitucional limitado, acabando com toda a ajuda externa e trazendo nossas tropas para casa.

Quando Israel foi criticado por bombardear uma usina nuclear iraquiana que temia que fosse usada para produzir armas, defendi o direito de Israel como um Estado soberano de agir no que via como seu interesse de segurança nacional. Continuo a ter essa opinião. Acredito que Israel se beneficiaria se os EUA acabassem com toda a ajuda externa, já que grande parte dela vai para os inimigos de Israel. A ajuda externa também dá aos EUA uma desculpa para se envolverem em outras formas de ingerência. O fim da política externa intervencionista dos EUA permitiria que israelenses e palestinos encontrassem um caminho para uma paz justa e duradoura.

Gentilmente cedido por Instituto Rothbard Brasil