O iminente colapso do esquema Ponzi global

Instituto Rothbard Brasil - George Ford Smith

9/4/20235 min read

Não demorará muito para que governos de todo o mundo, incluindo o de Washington, se autodestruam.

Palavras fortes, mas considerar qualquer coisa menos que a autodestruição seria ingenuidade.

Como disse certa vez o economista Herbert Stein: “Se algo não pode durar para sempre, tende a acabar”. Caso em questão: regimes políticos de moeda fiduciária. As economias intervencionistas do Ocidente estão em uma espiral descendente fatal, comparável à do Império Romano no século II, sobrecarregadas com dívidas insustentáveis ​​e políticas anti prosperidade dos governos, especialmente o Green New Deal.

No esquema Ponzi global, o nada e a fraude substituem o dinheiro sólido. Como escreveu o gerente de hedge funds de Mitch Feierstein em Planeta Ponzi: “ Você não conserta um esquema Ponzi; você acaba com ele.” Charles Ponzi e Bernie Madoff deixaram alguns de seus investidores muito mais pobres, mas o mundo não desabou como resultado.

Para isso – para um esquema Ponzi que ameaçaria levar o capitalismo à falência em todo o mundo ocidental – você precisa de pessoas muito mais inteligentes do que Ponzi ou Madoff. Você precisa de tempo, precisa de energia, precisa de motivação. Em uma palavra, você precisa de Wall Street.

Mas Wall Street sozinha não tem força para gerar um resultado verdadeiramente cataclísmico. Se a sua ambição é criar confusão na maior escala possível, você precisa ter acesso a um balanço patrimonial de dezenas de triliões. Você precisa de poder. Você precisa de prestígio. Você precisa de uma disposição notável para enganar. Em uma palavra, você precisa de Washington.

Como Gary North escreveu em uma breve revisão do livro de Feierstein, “Os bancos centrais têm conspirado com os governos nacionais a fim de financiar enormes aumentos da dívida nacional, além do que jamais pode ser pago. Em outras palavras, [Feierstein] descreveu as promessas do governo como parte de um gigantesco esquema Ponzi internacional”.

Em uma entrevista recente, Peter Schiff, de quem riram quando previu o colapso econômico de 2007-9, disse que os juros apenas da dívida federal “serão cerca de um trilhão até o final deste ano. Até o final do próximo ano [chegará a] dois trilhões de dólares – e isso se as taxas de juros não subirem. . . . Esta é uma enorme bomba de dívida que vai explodir.”

Dívidas corporativas e de cartão de crédito ultra altas, juntamente com a insolvência bancária, sustentam seu argumento para um colapso iminente, o oposto do sonho econômico de Biden .

Junto com isso, a Reuters observa que o spread entre os títulos do Tesouro de dois e dez anos está na inversão mais profunda desde 1981. Raramente uma curva de rendimento invertida não sinalizou uma recessão.

Jerome Powell e seus conselheiros podem levar a economia a uma aterrissagem suave? Não dessa vez. “O único pouso possível é um acidente, onde todos a bordo morrem”, Schiff twittou recentemente.

Ponzi e Madoff foram presos por seus esquemas, mas como você processa os governos? Indiciamento implica fazer parte do governo. E com raras exceções, como Ron Paul, aqueles que vão para o governo acreditam que o ouro é uma relíquia bárbara e o Fed é uma coisa boa que só precisa de um pouco de ajustes do governo. Assim, os culpados ficarão impunes, a menos que a indignação pública se transforme equivocadamente em violência extrajudicial. O resto estará muito ocupado tentando sobreviver e proteger aqueles de quem gostam.

A guerra contra o ser humano

Um estudo da história, incluindo a história monetária dos EUA, deixa claro que o estado não está no negócio de garantir nossa liberdade. Como os novecentos dias anteriores deixaram claro, qualquer defesa da “liberdade” provavelmente seria considerada discurso de ódio. Em vez disso, somos inundados com as palavras de bem-estar de diversidade, equidade e inclusão, juntamente com as campanhas movidas pelo medo das mudanças climáticas e da covid assassina. Desafie qualquer um deles e você será demonizado – ou coisa pior.

Mas o estado não pode fazer nada significativo sem monopolizar o dinheiro, e as moedas digitais orwellianas do banco central (MDBCs) serão a última parcela a controlar o sistema monetário. O sistema de pagamento FedNow, com ênfase na conveniência do usuário, fornece a estrutura e a preparação psicológica para as MDBCs.

O superpoder das sombras

Podemos impedir que isso aconteça. Dois estados, Flórida e Indiana, baniram efetivamente as MDBCs como dinheiro nesses estados. Outros estados provavelmente seguirão. O governo proibirá o dinheiro em algum momento, mas aqueles que o usam agora estão votando contra as MDBCs.

Muitas pessoas recorrerão ao escambo, algumas usando metais de escambo, e à economia paralela. Se isso soa desesperador, considere como o mercado negro global em 2011 foi a economia que mais cresceu no mundo. Às vezes referido como Sistema D, ela apresenta tanto as pequenas transações usuais de comércios de mercados de pulgas ou trabalhadores à procura emprego nos estacionamentos de lojas de materiais de construção e também comércios internacionais maiores. David Obi, um nigeriano, conta que por sua própria iniciativa, contatou uma empresa chinesa para enviar pequenos geradores movidos a diesel para seu país de origem, onde a energia elétrica costuma ser escassa: “Como quase todas as transações entre comerciantes nigerianos e fabricantes chineses, também era sub rosa: sob o radar, fora da visão ou do controle do governo, parte do universo econômico alternativo não anunciado do Sistema D.”

Friedrich Schneider, investigador da Johannes Kepler University Linz, na Áustria, especializado em economias fora do alcance do governo e co-autor de The Shadow Economy, descobriu que o Sistema D está a crescer mais rápido em muitos países do que o produto interno bruto oficialmente reconhecido. Se o Sistema D fosse uma nação independente, seria a segunda maior economia do mundo.

Conclusão

O futuro está indeciso, mas podemos ajudar a determinar o resultado se assumirmos a responsabilidade por ele. A Wikipedia define o Sistema D como “uma maneira de responder a desafios que exigem que alguém tenha a capacidade de pensar rapidamente, se adaptar e improvisar ao realizar um trabalho”. Nesse sentido, o sucesso sempre dependeu do Sistema D, com ou sem governo.

O termo americano para isso é life hack, “qualquer truque, atalho, habilidade ou método inovador que aumenta a produtividade e a eficiência, em todas as esferas da vida”. Ou como quisermos chamar, descreve um espírito que toda a humanidade precisa de adotar se quisermos sobreviver ao colapso iminente dos esquemas Ponzi do governo.

Gentilmente cedido por Instituto Rothbard Brasil