Cypherpunks, Vale de Galt e Bitcoin

BITCOIN

Instituto Rothbard Brasil

7/8/2023

Nos anos 1990 e início dos anos 2000, os Cypherpunks, um grupo de criptógrafos, matemáticos, cientistas da computação e ativistas, muitos dos quais tinham influências libertárias (ou com qualidades libertárias), trabalharam para criar um mundo melhor por meios pacíficos através da matemática e do códigos computacionais. Embora a identidade do fundador do Bitcoin permaneça desconhecida do público em geral, é amplamente entendido que essa moeda digital sem estado é um resultado direto de seu trabalho.

Em 1992, Timothy C. May, um autodenominado cripto-anarquista e membro fundador dos Cypherpunks, publicou um ensaio chamado “Libertaria in Cyberspace”. May escreveu que “será mais fácil formar certos tipos de sociedades libertárias no ciberespaço do que no mundo real de nações e locais físicos” e que “essas ideias de ‘criptoanarquia’ irão corroer ainda mais o poder dos estados físicos de tributar e coagir residentes.”

May citou uma série de influências importantes sobre os Cypherpunks, entre eles os economistas FA Hayek e David D. Friedman, bem como a filósofa moral Ayn Rand. Mas a cripto-anarquia como ideologia política era um tema recorrente, e Ayn Rand foi, de acordo com May, “uma das principais motivadoras” disso. Ele escreveu que “o que [Rand] queria fazer com a tecnologia material (espelhos sobre o Vale de Galt) é muito mais fácil de se fazer com a tecnologia matemática”. Mas a mudança social que buscavam provocar não era apenas um interesse passivo. “Cypherpunks escrevem código”, escreveu Eric Hughes, outro membro do grupo, em seu “Manifesto do Cypherpunk”.

A ideia de construir um Vale de Galt cripto-anarquista no ciberespaço foi uma ideia intrigante. Em 1998, Cypherpunk e o engenheiro de computação Wei Dai escreveram um ensaio explicando como um dinheiro criptográfico, que ele chamou de ‘b-money’, poderia funcionar. Logo na primeira frase do ensaio, ele escreveu que estava “fascinado pela cripto-anarquia de Tim May” e que nessa cyber-utopia criptográfica, o governo era “permanentemente proibido e permanentemente desnecessário” porque “seus participantes não podem ser vinculados a seus verdadeiros nomes ou localizações físicas”.

Nick Szabo, outro Cypherpunk e cientista da computação, descreveu o Vale de Galt digital como um lugar onde “você pode formar sua própria comunidade independente e declarar sua independência de instituições corruptas”, um lugar com sua própria moeda privada, onde a propriedade privada é protegida por meios não-violentos, e onde os contratos são cumpridos.

Como o desenvolvimento de uma moeda digital emitida de forma privada era um objetivo dos Cypherpunks, já que eles foram inspirados em grande parte por Ayn Rand, e como Rand tinha muito a dizer sobre moeda, vale a pena revisar alguns de seus escritos para derivar o que ela poderia ter pensado sobre Bitcoin.

Anarquia

Como mencionado, a visão do Cypherpunk Timothy May sobre o Vale de Galt no cyberespaço foi descrita por ele como “cripto-anarquia”. Mas Rand descartou completamente a anarquia como um sistema político, chamando-a de “uma abstração flutuante ingênua”.

Assim, embora Rand e alguns dos Cypherpunks mais influentes imaginassem como seria uma sociedade mais livre – apreciando o livre comércio e a interação voluntária – eles certamente não teriam concordado se um nível mínimo de coerção é necessário para financiar, digamos, tribunais e militares. Como tal, se vemos uma moeda digital privada como uma parte essencial da visão cripto-anarquista, é difícil imaginar Rand apoiando-a. Mas examinar mais de perto as opiniões de Rand sobre direitos de propriedade e a própria moeda pode nos fornecer uma perspectiva mais aprofundada.

Direitos de propriedade

Rand escreveu que é apenas através dos direitos de propriedade que qualquer outro direito pode existir, e que sem direitos de propriedade “não há como resolver ou evitar um caos desesperador de pontos de vista, interesses, demandas, desejos e caprichos conflitantes”.

No Bitcoin, saber algo (sua chave privada) é essencialmente possuí-lo. É claro que é possível confiar suas chaves privadas a terceiros (uma exchange, por exemplo), mas isso é totalmente desnecessário e altamente desencorajado entre os bitcoiners, conforme capturado pelo ethos “Not your keys, not your bitcoins”. Portanto, embora seja possível apreender bitcoins coagindo alguém a revelar suas chaves privadas, a natureza da funcionalidade do Bitcoin força a parte coercitiva a ir muito mais longe (violentamente) para expropriar em primeiro lugar. Como tal, o Bitcoin muda radicalmente o equilíbrio de poder entre o indivíduo e o estado, já que o estado não pode ir de porta em porta violentamente tirando informações à força da cabeça das pessoas sem estragar a imagem pública que promove de si mesmo como um “provedor benevolente de bem-estar social.”

Para dar um passo adiante, a portabilidade do Bitcoin permite que a riqueza se mova de um canto da terra para outro sem permissão. Ele também permite que os proprietários cruzem fisicamente as fronteiras e carreguem sua riqueza com eles, pois os bitcoins não ocupam espaço físico e as chaves privadas podem ser armazenadas em suas cabeças.

Em suma, o Bitcoin serve como uma forma radical de direitos de propriedade e, como tal, é difícil imaginar que Rand não apreciasse esse aspecto.

Moeda

Quando Rand escrevia sobre moeda, ela geralmente se referia ao valor de ganhar dinheiro criando valor para os outros; ela distinguiu entre dinheiro ganho por meios justos e dinheiro ganho por meios injustos (por exemplo, por meio de conexões políticas). Ela também nos deu uma indicação de que tipo de dinheiro ela considerava bom:

O dinheiro é a ferramenta dos homens que atingiram um alto nível de produtividade e um controle de longo alcance sobre suas vidas. O dinheiro não é apenas uma ferramenta de troca: muito mais importante, é uma ferramenta de poupança, que permite o consumo adiado e ganha tempo para a produção futura. Para atender a esse requisito, o dinheiro tem que ser uma mercadoria material que seja imperecível, rara, homogênea, facilmente armazenada, não sujeita a grandes flutuações de valor e sempre em demanda entre aqueles com quem você negocia (grifo meu).

A partir disso, podemos concluir que ela teria apreciado a escassez do Bitcoin (com um hard cap fixo de 21 milhões), o que facilita sua proposta de reserva de valor, mas provavelmente teria ficado preocupada com sua volatilidade no poder de compra.

Em A revolta de Atlas, o personagem fictício Francisco d’Anconia fez um discurso apaixonado sobre dinheiro, argumentando que “O dinheiro é feito – antes que possa ser saqueado ou roubado – feito pelo esforço de todo homem honesto, cada um na medida de sua capacidade. Homem honesto é aquele que sabe que não pode consumir mais do que produziu”. Aqui, novamente, refletimos sobre a escassez real do Bitcoin, com ninguém sendo capaz de produzir bitcoins do nada para pagar por favores políticos (uma prática padrão da moeda fiduciária).

O ouro é um tema recorrente no trabalho de Rand sobre dinheiro. Em seu livro Capitalism: The Unknown Ideal, Alan Greenspan escreve um artigo intitulado “O ouro e liberdade econômica”. Ele escreve: “O ouro e a liberdade econômica são inseparáveis…” E, “O gasto deficitário é simplesmente um esquema para o confisco ‘oculto’ da riqueza. O ouro fica no caminho deste processo insidioso. Ergue-se como um protetor dos direitos de propriedade.”

Conclusão

Então, Rand gostaria de Bitcoin? É difícil saber exatamente. Ela faleceu em 1982 – muito antes de a maioria de nós ter ouvido falar da internet. Qualquer que seja a opinião de Rand, não há como negar sua forte influência sobre os primeiros Cypherpunks que “escreveram códigos” em uma tentativa de décadas de concretizar uma versão cyberespacial do capitalismo laissez-faire que ela defendia corajosamente no espaço real.

Rand tinha algumas coisas importantes a dizer sobre dinheiro e sobre a maneira moralmente justificável de ganhá-lo (fazê-lo) em primeiro lugar. Na verdade, suas opiniões sobre o dinheiro eram tão firmes que ela orgulhosamente usava um cifrão ($) como uma declaração. Talvez se ela estivesse viva hoje e soubesse até que ponto o Bitcoin serve como solução técnica para o problema político de uma classe privilegiada de pessoas que vivem às custas de quem produz, ela poderia ter abraçado com orgulho o símbolo ₿ do Bitcoin. Suas ideias inspiraram os próprios indivíduos que se propuseram a tornar algo como o Bitcoin uma realidade em primeiro lugar. Eu gosto de pensar que ela poderia se orgulhar disso.

Retirado do Instituto Rothbard Brasil
Escrito por Por Emile Phaneuf III