Bitcoin VS Coletivismo.

BITCOIN

Escrito por @WartimeBitcoin traduzido por Victor Gabriel

10/24/2023

Este artigo é uma tradução/adaptação do texto “Bitcoin VS Collectivism” escrito por @WartimeBitcoin

É 2023, e a maior batalha que enfrentamos, pela alma do indivíduo e pela alma da civilização, é contra o cancro do coletivismo.

O que quero dizer?

Vamos responder a algumas perguntas para ajudar a esclarecer:

  1. O que é coletivismo?

  2. Porque é um cancro?

  3. Como o Bitcoin pode inocular a civilização a partir dele?

O que é Coletivismo?

O coletivismo é uma ideologia política e econômica que enfatiza a propriedade coletiva e o controle dos meios de produção, bem como a distribuição de riqueza e recursos dentro de uma sociedade.

Ao contrário do individualismo, que defende a propriedade individual e o controle de propriedades e recursos, e a liberdade dos indivíduos de perseguir seus próprios interesses, nas sociedades coletivistas, o governo ou outra autoridade central é responsável por organizar e administrar a economia e a distribuição de riqueza e recursos.

O coletivismo é frequentemente associado a sistemas de governo socialistas e comunistas, que buscam eliminar a propriedade privada como meio de criar uma distribuição mais igualitária da riqueza entre a população.

É claro que, ao fazer isso, esses sistemas de governo fazem exatamente o oposto e destroem a própria estrutura da sociedade que pretendem estar “ajudar” ou “salvar”.

Porque o coletivismo é um cancro?

Como o cancro, o coletivismo é uma força destrutiva que prejudica a saúde e o bem-estar do organismo dentro do qual opera.

Como o cancro, o hospedeiro finalmente desmorona e falha, ou morre.

Os governos coletivistas fracassam porque violam os princípios econômicos fundamentais e minam os incentivos e as motivações dos indivíduos (as células do sistema econômico social).

De acordo com Rothbard, o planeamento central e os mecanismos de alocação de recursos dos governos coletivistas são inerentemente ineficientes, pois não podem dar conta das preferências complexas e diversas de todos os indivíduos em uma sociedade. Além disso, os governos coletivistas tendem a recorrer à força e à coerção para atingir seus objetivos, o que cria um clima de medo e desconfiança e sufoca a inovação e a criatividade.

Rothbard também argumentaria que os governos coletivistas fracassam porque minam os incentivos dos indivíduos para trabalhar e produzir. Em um sistema coletivista, as recompensas da produtividade são distribuídas de acordo com os ditames da autoridade central, ao invés de serem determinadas pelo mercado. Isso remove o incentivo para que os indivíduos trabalhem duro e sejam produtivos, pois não podem colher os benefícios de seus próprios esforços.

O resultado é que as sociedades coletivistas tendem a sofrer de baixos níveis de produtividade e crescimento econômico, assim como um ser humano com câncer sofre de baixos níveis de vitalidade e não está mais a crescer de forma saudável.

Os governos coletivistas corroem a responsabilidade pessoal e a prestação de contas, assim como o câncer corrói a capacidade das células do corpo de desempenhar efetivamente suas funções. Em um sistema coletivista, os indivíduos não são responsáveis por seu próprio bem-estar e, em vez disso, dependem do Estado para suas necessidades básicas. Como tal, as pessoas, como as células do corpo quando na presença de câncer, começam a metástase e se tornam cancerosas para o todo.

Tudo isso leva a uma cultura de dependência e “direito”, desencorajando os indivíduos de assumir o controle de suas próprias vidas e buscar o autoaperfeiçoamento.

É uma espiral descendente que, em última análise, significa o fim da sociedade como anfitriã.

Como o Bitcoin pode imunizar a civilização do Coletivismo?

O Bitcoin corrige isso por meio de uma localização radical nas consequências da ação econômica.

h/t @SvetskiWrites por este insight. Também influencia a preferência temporal de forma positiva. Mais sobre isso abaixo.

Bitcoin cultiva uma cultura de individualismo e autoconfiança, que é resistente aos efeitos negativos do coletivismo, assim como alimentos ricos em nutrientes, luz solar e medicamentos holísticos ajudam a dar ao corpo o que ele precisa para combater o cancro naturalmente. Os ingredientes do Bitcoin são, de certa forma, paralelos a estes, e se tu já és um Bitcoiner, tu já conheces:

  1. Descentralização: Bitcoin não tem autoridade central a controlar a rede. Isso significa que não está sujeito ao mesmo tipo de controle centralizado e manipulação que forma a base dos sistemas coletivistas.

  2. Liberdade financeira: o Bitcoin permite que indivíduos realizem transações financeiras sem a necessidade de intermediários como bancos ou governos. Isso dá às pessoas mais controle sobre seus próprios assuntos financeiros e as torna menos dependentes do Estado para suas necessidades básicas.

  3. Oferta fixa: o fornecimento de Bitcoin é limitado a 21 milhões, e a taxa na qual novas moedas são criadas é predeterminada por um algoritmo simples. Isso evita o tipo de inflação e desvalorização da moeda que infecta a estrutura das sociedades coletivistas.

  4. Resistência à censura: Isso é particularmente útil em sociedades coletivistas onde o governo tenta suprimir a dissidência ou controlar o fluxo de informações e dinheiro.

Agora… isso pode não imunizar completamente uma sociedade dos efeitos negativos do coletivismo, mas forma a base para isso.

O Bitcoin reduz a preferência temporal, que é um termo econômico que se refere ao grau em que um indivíduo valoriza bens presentes em detrimento de bens futuros. Uma pessoa com alta preferência temporal está mais preocupada com a gratificação imediata, enquanto alguém com baixa preferência temporal está disposta a adiar a gratificação para obter maiores recompensas a longo prazo. Preferências de tempo mais baixas são mais saudáveis — tanto para os indivíduos quanto para as sociedades que eles compõem.

Os sistemas coletivistas geralmente dependem de alta preferência de tempo para manter o controle e a conformidade, pois prometem benefícios imediatos em troca de lealdade e obediência. Por exemplo, um governo coletivista pode oferecer assistência médica ou educação gratuita em troca de apoio e participação no processo político. Semelhante a como uma pessoa com sobrepeso é facilmente influenciada pela próxima fatia de pizza, chocolate ou McDonalds carregado de óleo de soja(semente).

O Bitcoin, no entanto, promove uma preferência de tempo mais baixa e racional, oferecendo aos indivíduos um meio de acumular riqueza e alcançar estabilidade financeira de longo prazo, independentemente do sistema coletivista, de suas promessas e da inerente incerteza que ele cria sobre o futuro. Ao fornecer uma maneira alternativa de economizar, o Bitcoin mina a dependência de instituições coletivistas e, como mencionado, incentiva mais responsabilidade individual e autossuficiência.

Essa diminuição da preferência temporal e relocalização das consequências aumenta a saúde econômica dos indivíduos (as células) que compõem a sociedade (o corpo) e, finalmente, nos inocula contra o câncer do coletivismo.

No geral, qualquer coisa que promova maior liberdade individual juntamente com responsabilidade e, portanto, autonomia, é um passo na direção certa. Ao resolver isso no nível praxeológico, o Bitcoin é um antídoto poderoso, se não o mais poderoso, para a doença que é o coletivismo.

Traduzido Victor Gabriel

Revisto por Lexlíber